Nov 21 2005
333 lecturas

Economía

AVESTRUZ VOA

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

foto
“Conheço gente que perde mais tempo comparando
quando compra toalhas de papel do que quando faz investimentos.”
Arthur Levit

Esta história começa no ano de 1996, com a contribuição de uma novela da Rede Globo, intitulada O Rei do Gado. Protagonizada por Antônio Fagundes, alcançou elevados índices de audiência, conferindo grande visibilidade a um novo tipo de negócio: os ativos rurais.

Sem sair de casa, sem a necessidade de transitar por estradas de terra, pisar o barro, mexer com adubo ou ração, investidores de todo o país viram-se seduzidos por uma nova modalidade de ganho patrimonial representada pela aquisição de boi ou frango para engorda e abate. As empresas ofereciam ganhos expressivos, muito superiores às aplicações tradicionais em renda fixa, lastreadas no ganho de peso do animal.

O conto prossegue da seguinte forma. Em maio de 1998 foi decretada a falência da Gallus Agropecuária, com passivos da ordem de R$ 35 milhões e cerca de 3.000 investidores lesados. O controlador da empresa seria posteriormente condenado a nada menos que doze anos de prisão.

Diante desta ocorrência, a CVM, Comissão de Valores Mobiliários, que regula o mercado acionário no país, resolveu intervir nos chamados Contratos de Investimento Coletivo (CIC), instrumento jurídico utilizado por estas empresas para promover a captação de recursos. E o maior rigor na fiscalização fez outra vítima. Agosto de 1999 marcou a insolvência da Fazendas Integradas Ouro Branco, baseada no Tocantins, que prometia uma rentabilidade de 12,8% em apenas quatro meses através da venda de leite de vaca.

Mas o golpe fatal no setor deu-se apenas anos depois, mais precisamente em 16 de outubro de 2001, quando a Fazendas Reunidas Boi Gordo entrou com pedido de concordata preventiva (convertido em falência em abril de 2004). Seu proprietário, Paulo Roberto de Andrade, condenado duas vezes por assalto a mão armada e quatro anos cumpridos em reclusão, legou dívidas superiores a R$ 1,2 bilhão. Mais de 20 mil investidores viram suas economias irem literalmente para o brejo – e 89% deles eram pequenos poupadores, com aplicações de até R$ 50 mil.

foto
Pode ser uma expressão do tipo chavão, mas o fato é que nós, brasileiros, realmente temos memória curta. A bola da vez chama-se Avestruz Master, que em sistema similar ao relatado nos casos acima, propagandeia aos incautos rendimentos de até – pasmem – 11% ao mês.

A empresa cresceu com pujança nos últimos cinco anos. Apresenta sete filiais espalhadas pelo Brasil, além do Distrito Federal. E teve sua falência requerida recentemente – e seus sócios, prisão preventiva decretada – após uma sucessão de compromissos não honrados e cheques sem fundos emitidos.

O caso está na fase inicial de apuração. Ainda são se sabe o montante do rombo que será identificado nas contas da companhia e nem o número de contribuintes lesados.

Só sei duas coisas. A primeira, é que nunca comi carne de avestruz, muito embora esta iguaria já devesse fazer parte do cardápio dos restaurantes de todo o país dado o volume de animais criados e supostamente comercializados pela tal Avestruz Master. A segunda, é que muita gente que apostou num negócio arriscado como este vai descobrir que não há mágicas ou milagres no mercado financeiro, pois quanto mais elevada a expectativa de ganho, maior é o risco.

Vão descobrir da pior maneira possível que avestruz voa…

——————————

* Tom Coelho, com formação em Economia pela FEA/USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela MMS/SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela FIA-FEA/USP, é empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp (www.tomcoelho.com.br).

Correo electrónico: tomcoelho@tomcoelho.com.br

X

Envíe a un amigo

Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario