Dic 5 2005
291 lecturas

Política

JAPÓN: ADIÓS AL PACIFISMO CONSTITUCIONAL

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

A Constituição japonesa de 1947 não admite que o Estado possua forças armadas, sendo por isso caracterizada por ser uma Constituição pacifista. Ora nos últimos tempos o atual governo japonês de cariz liberal-conservador não se tem cansado de ensaiar tentativas de introduzir profundas alterações na Constituição Política japonesa com vista a dotar o Estado de umas forças armadas poderosas.

A oposição declarou já o seu repúdio a tais intenções.

A emenda ao artigo 9 no qual se diz que o Japão “renuncia à guerra como meio de regular os diferendos internacionais” é o alvo da sanha militarista do governo japonês e das forças nacionalistas que têm recebido o aval dos Estados Unidos, os quais pretendem inscrever o Japão no sistema regional norte-americano.

Um dos pretextos para a modificação do citado artigo é o envio para o Iraque de soldados japonesas de… autodefesa do Japão!

Este fato tem servido para os partidários da militarização do Japão dizerem que o artigo 9 foi… esvaziado de sentido! Cá para nós quem violou o artigo constitucional, isto é, o atual governo liberal-conservador japonês é quem devia estar hoje a prestar contas por ter violado a Constituição.

Alimentando a la madre del cordero

Recorde-se que foram os Estados Unidos que, curiosamente começaram por esvaziar o artigo 9 da Constituição do Japão, para o qual tinham contribuído insistentemente no período imediato ao pós-Guerra em 1945, quando inseriram o país do Sol nascente na sua estratégia anti-comunista durante a chamada Guerra fria.

O primeiro passo foi uma decisão secreta de 1948 a autorizar o Japão para a constituição de uma força de polícia nacional de 150.000 homens cuja missão era, entre outras, proteger as bases norte-americanas no Japão e as famílias dos soldados norte-americanos.

Os próprios governos norte-americanos não escondem o seu desejo de tornar o Japão uma potência militar moderna, ainda que sob controle militar americano e ao serviço dos objetivos estratégicos de Washington.

Não admira pois que, apesar da sua Constituição rejeitar a constituição de forças armadas, o Japão já ter sido considerado em 1973 a sétima potência militar do mundo, tendo hoje cerca de 240.000 soldados e ter gasto em 1998 50.000 millones de dólares para as suas forças de…”auto defesa”.

E não faltam líderes políticos no Japão a pedir armas nucleares para as suas forças armadas…

————————————

* http://listas.nodo50.org/cgi-bin/mailman/listinfo/urtica

Lista de correos Urtica:
Urtica@listas.nodo50.org

X

Envíe a un amigo

Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario