Ene 22 2012
1329 lecturas

EconomíaSociedad

Associativismo de resultados

Desde 1996 atuo voluntariamente em associa√ß√Ķes e entidades. Quer saber a verdade? Comecei nisso por mero interesse pessoal. Eu era fabricante de brinquedos met√°licos para playground, entre outros itens. Um dia, decidi certificar meus produtos com o objetivo prec√≠puo de ter um diferencial competitivo em rela√ß√£o √† concorr√™ncia. | TOM COELHO.*
.
Nosso caráter é resultado de nossa conduta.
Aristóteles.
.
O raciocínio era simples: se meu produto tivesse um selo de qualidade eu certamente poderia atuar no mercado com um preço premium, o que me garantiria maior rentabilidade.
.
Porém, para chegar lá, era necessário criar as normas que regulamentariam o mercado. Procurei o Inmetro que instituiu uma comissão de estudos formada por diversos fabricantes, laboratórios técnicos de certificação e órgãos de defesa do consumidor.
.
As primeiras reuni√Ķes foram terr√≠veis, com um corporativismo latente.
.
Fabricantes de brinquedos de madeira insinuavam que os metálicos eram perigosos porque esquentavam sob o sol e poderiam provocar queimaduras nas crianças. Os fabricantes de produtos em aço, por sua vez, argumentavam que os brinquedos de madeira soltavam farpas que também eram ofensivas.
.
Enquanto isso, os importadores de brinquedos de pl√°stico injetado assistiam a tudo de camarote. Detalhe, nos anos de 1990 ainda n√£o se falava em preocupa√ß√Ķes de cunho ambiental.
.
O fato √© que ap√≥s alguns encontros, com intensas discuss√Ķes e constantes estudos das normas em vigor nos Estados Unidos e na Europa, subitamente um senso de civismo (e civilidade) tomou conta de todos os atores daquela comiss√£o. A norma que est√°vamos elaborando era especificamente voltada n√£o √† qualidade, mas √† seguran√ßa dos produtos fabricados e comercializados.
.
Foi quando adotamos um princ√≠pio b√°sico: o brinquedo pode ser at√© de cristal, desde que n√£o comprometa a integridade dos usu√°rios ‚ÄĒas crian√ßas.
.
Assim nasceu a NBR-14350/1999 (segurança de brinquedos de playground). Como secretário-geral daquela comissão que se reuniu mensalmente ao longo de dois anos, tenho hoje a alegria de saber que deixei um legado, mesmo não atuando mais naquele segmento empresarial.
.
Foi quando aprendi o propósito e a forçado associativismo.
.
Desde então, participei de várias iniciativas como a salvaguarda contra brinquedos importados da China, a supressão da CPMF e, mais recentemente, o Feirão do Imposto, promovendo a conscientização da população com relação à carga tributária embutida no preço dos produtos.
.
Toda esta experi√™ncia permitiu-me chegar a algumas conclus√Ķes:
.
1. Você é voluntário até começar a participar. Integrar uma associação ou entidade é uma decisão pessoal. Contudo, uma vez assumido o compromisso, você se torna responsável pelo cumprimento de um planejamento estratégico previamente formulado e pela defesa dos propósitos que norteiam a missão da organização. Esta é uma mensagem àqueles que atuam diretamente na gestão.
.
2. Participar n√£o se resume a pagar mensalidades. A contribui√ß√£o mensal √© o bem menor que voc√™ pode legar. √Č limitado e superficial acreditar que basta depositar alguns reais por m√™s em favor da entidade e exigir que os outros lutem por seus interesses. Voc√™ precisa participar ativamente de reuni√Ķes, debates e eventos. Esta √© uma mensagem aos associados.
.
3. O interesse coletivo se sobrep√Ķe ao individual. O nome do jogo n√£o √© vencer, mas convencer. Isso significa ter flexibilidade e nenhum compromisso com o erro. Em alguns momentos seu argumento √© mais fraco e voc√™ perde. Mas a derrota de hoje pode ser a vit√≥ria de amanh√£.
.
4. O inimigo deve ser eleito com critério. O adversário deve ser nomeado coletivamente. Com rapidez você descobre que ele não é o concorrente na sala
ao lado, mas sim a estrutura tribut√°ria paranoica, os entraves √† competitividade, a economia informal, o produto importado com c√Ęmbio favor√°vel e qualidade question√°vel.
.
5. As batalhas devem ser escolhidas com sabedoria. A quest√£o n√£o √© debater demandas espec√≠ficas, de car√°ter conjuntural, mas sim buscar a regulamenta√ß√£o de um setor ou mudan√ßas estruturais. √Č trocar o benef√≠cio de
curto prazo, transitório, por avanços de longo prazo, duradouros, capazes de promover a geração de emprego e renda.
.
Muitas vezes temos o mau h√°bito de criticar sem oferecer alternativas, praguejar sem dialogar, julgar sem refletir. E, assim, terceirizamos a culpa
como indulgência pessoal à nossa própria negligência.
.
* Educador, conferencista e escritor.
www.tomcoelho.com.br <e www.setevidas.com.br

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


    Su nombre (requerido)

    Su Email (requerido)

    Amigo(requerido)

    Mensaje

    A√Īadir comentario