Oct 7 2006
341 lecturas

Cultura

Cordialmente. – CUIDANDO DO CORAÇÃO

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

“O coração humano é um instrumento de muitas cordas. O perfeito conhecedor dos homens sabe fazê-las vibrar todas, como um bom músico”.
(Charles Dickens)

Hoje não quero falar sobre o coração-sentimento. O coração que ora aquece e depois esquece. O coração que ora repele e depois se apaixona. O coração que ora ama e depois odeia – ou ama com ainda mais intensidade. Quero falar sobre o coração-órgão, o coração-músculo, aquele responsável por bombear o sangue para todo nosso organismo, nutrindo nossas células, dando-nos a vida.

O mundo moderno legou-nos muitas facilidades. Trocamos lampiões a querosene pela energia elétrica farta, o dorso incômodo dos cavalos pela maciez dos assentos dos automóveis, as demoradas cartas pelos instantâneos e-mails. Mas o conforto trouxe consigo a comodidade e, com ela, a vida sedentária, o stress, o tabagismo, a obesidade e a pressão arterial elevada, todos estes, fatores de risco controláveis causadores de doenças cardiovasculares.

Repentinamente você sente uma queimação no peito, seguida de sudorese (suor excessivo), palidez, fraqueza e até enjôo. Esta dor no peito, que pode se estender para os braços, pescoço ou costas, é a angina, uma manifestação de redução temporária do suprimento de sangue para o coração. Isso acontece em situações de stress ou de exercício físico intenso, ocasiões nas quais há demanda mais elevada por oxigênio, exigindo maior esforço cardíaco.

Já o infarto do miocárdio, mais conhecido como ataque cardíaco, é uma interrupção abrupta do fluxo de sangue para o coração, decorrente da aterosclerose, nome dado para o estreitamento progressivo de artérias devido à formação de placas de gordura nas paredes internas dos vasos, obstruindo a passagem do sangue. Nesta situação, a dor sentida é mais vigorosa e demorada. Via de regra, a angina não causa danos permanentes ao coração, mas o infarto, sim.

Lipídios: heróis ou vilões?

Os lipídios, ou apenas gorduras, são importantes fontes de energia para o organismo. Enquanto um grama de gordura contém 9 calorias, cada grama de carboidratos contém cerca de 4 calorias. Ademais, nossas reservas energéticas na forma de gordura são muito mais abundantes. As gorduras são obtidas a partir dos alimentos, sintetizadas ou formadas no corpo, em especial no fígado.

Além disso, as células adiposas apresentam função protetora contra choques mecânicos, atuam como isolante térmico, aumentando a resistência do corpo quando exposto ao frio e auxiliam no transporte das vitaminas A, D, E e K.

As duas principais gorduras presentes no sangue são o colesterol e os triglicérides. Como são insolúveis, não se dissolvem no sangue, sendo transportados na corrente sangüínea através de proteínas especiais denominadas lipoproteínas. As principais são a LDL, ou lipoproteína de baixa densidade, responsável por conduzir o colesterol aos tecidos do corpo, e a HDL, ou lipoproteína de alta densidade, que carrega o colesterol dos tecidos até o fígado onde é removido do sangue. Devido a estas características, a LDL é conhecida como “colesterol ruim”, enquanto a HDL é apelidada de “colesterol bom”.

O risco de uma cardiopatia (doença cardíaca) ou mesmo de um acidente vascular cerebral (AVC) está associado tanto à concentração de colesterol total presente no sangue quanto à relação entre LDL e HDL. Assim, a concentração ideal de colesterol total é da ordem de 140 a 200 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl). Já a LDL deve estar abaixo de 100 mg/dl e a HDL acima de 35 mg/dl. A concentração da HDL deve representar mais de 25% do colesterol total. E, finalmente, o índice de triglicérides deve estar abaixo de 150 mg/dl, embora não haja consenso na comunidade médica acerca deste número.

Ainda que tenhamos reforçado a importância dos lipídios como fonte de energia, elabore uma dieta que tenha apenas 30% ou menos das calorias necessárias provenientes de gorduras. E lembre-se de que há vários tipos de gordura:

– gordura poli-insaturada (azeite de oliva, abacate e amendoim): reduz a LDL e o colesterol total;

– gordura insaturada (peixes gordurosos, óleos vegetais, sementes e nozes): reduz triglicérides e colesterol total;

– gordura saturada (origem animal, presente nas carnes vermelhas e laticínios): elevam colesterol e triglicérides;

– gordura trans-saturada (presente em alimentos industrializados como margarinas, biscoitos, sorvetes, salgadinhos de pacote, frituras e todo alimento que inclua em seu preparo a gordura vegetal hidrogenada): o consumo deve ser evitado ao máximo.

Programa de reabilitação cardíaca

Você pode esperar passar pelo infortúnio de uma doença cardíaca, levando apreensão, preocupação e ansiedade a você e toda sua família, ou agir preventivamente no sentido de evitá-la. E o grande segredo para tal está em promover uma mudança em seu estilo de vida.

O primeiro fator está na reeducação alimentar. Isso significa não apenas comer mais peixes, grelhar as carnes e evitar a gordura trans, mas também buscar uma dieta mais saudável, consumindo legumes, verduras e frutas, evitando o consumo excessivo de álcool e deixando de fumar. Consulte um nutricionista e procure envolver toda sua família.

O segundo aspecto está na atividade física prazerosa e regular. Os exercícios aeróbicos promovem a dilatação das artérias coronárias permitindo ao sistema cardiovascular receber a quantidade necessária de sangue para o bom metabolismo. Bastam trinta minutos em três sessões semanais para que os efeitos sejam sentidos. Além disso, a sensação de bem-estar e elevação da auto-estima são efeitos colaterais certos e desejáveis. Mas lembre-se de consultar um médico preliminarmente. Um teste ergométrico em esteira ou bicicleta, acompanhando de um hemograma (exame de sangue) e eletrocardiograma permitirão um diagnóstico adequado para a formatação de um programa de condicionamento físico personalizado.

Finalmente, se você está sentindo os efeitos de insuficiência cardíaca, sob evidente supervisão médica é provável que seja submetido a um tratamento alopático. A prescrição envolverá analgésicos, para confortar a dor; anticoagulantes, para redução dos níveis de colesterol e triglicérides; vasodilatadores, para facilitar o fluxo sangüíneo; e medicamentos contra arritmia, para manter a regularidade dos batimentos.

Cultive hábitos saudáveis. E estando são ou enfermo, lembre-se de eventualmente passar em sua cabeça um filme de sua vida, no qual você é o protagonista, mas também o diretor, com muitos atores ao seu redor que precisam de você para continuar representando seus papéis no palco da vida.

———————————-

* Baseado em vídeos da “Série Cardiovascular”, distribuída com exclusividade no Brasil pela Siamar.
foto
Tom Coelho, com formação em Economia pela FEA /USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela MMS /SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela FIA-FEA/USP, é empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp (www.tomcoelho.com.br).

tomcoelho@tomcoelho.com.br.

La ilustración de apertura es una acuarela de Juan Jesús Fernández Jiménez (www.jjfez.com.

X

Envíe a un amigo

Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario