Nov 12 2006
742 lecturas

Ambiente

EN LA ANTÁRTICA LAS BALLENAS QUEDAN MÁS SOLAS

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

foto

Shayne Rattenbury disse que o Greenpeace teve que reavaliar suas táticas após um de seus tripulantes ter sido arremassado no oceano durante um confronto com um navio baleeiro japonês. «Se não fosse pelo fato de ele estar usando colete salva-vidas, ele teria morrido naquelas águas congeladas».

Capitão Paul Watson se diverte com a afirmação: «Eu pensei que era para isso que um colete salva-vidas servia» –ele disse–. «Toda minha tripulação pulou na água no dia do Ano Novo para nadar com os pingüins e eles apenas usavam roupas de banho. Rattenbury parece se esquecer que há risco em tudo isso. Claro que é arriscado. Claro que é perigoso. Se fosse fácil, qualquer um poderia fazê-lo. Agora parece que apenas a Sea Shepherd assumirá esses riscos contra os piratas baleeiros no próximo ano».

O Greenpeace possuia dois navios em água antárticas , incluindo o Esperanza , com velocidade capaz de acompanhar constantemente a frota japonesa. O navio de trinta milhões de dólares Esperanza era o navio perfeito para impedir a caça ilegal de baleias pelo Japão. Ao invês disso, o Greenpeace usou-o como uma plataforma de filmagem. O Greenpeace também possuia um navio de reabastecimento de combustível para seus dois navios. Mas apesar disso, as embarcações do Greenpeace ficaram apenas uma semana a mais do que a da Sea Shepherd e retornou para Cape Town com combustível em demasia em seus tanques.

«Eu visitei o Esperanza em Cape Town » disse o engenheiro-chefe do Farley Movat ,Trevor Van Der Gulik. «Eles tinham combustível suficiente a bordo para ficarem mais duas semanas com a frota japonesa. Quando nós chegamos à Cape Town , depois de uma viagem de 8.500 milhas,  nós tinhamos apenas combustível para mais um dia. Eu não posso acreditar que eles abandonaram as baleias enquanto eles tinham condições de ficarem lá».

foto
O Greenpeace também se recusou a cooperar com a Sociedade de Conservação Sea Shepherd e a disponibilizar suas coordenadas em seu website, para evitar que a Sea Shepherd tivesse acesso a essas informações.

«O Greenpeace tinha capacidade para nos ajudar a parar os baleeiros» –disse Alex Cornelissen, Primeiro Oficial do Farley Movat–. «Eles sabiam que os baleeiros paravam de caçar e fugiam toda vez que o Farley Movat se aproximava. Ao invês disso, eles permitiram que dúzias de baleias que poderiam ser salvas morressem».

O bem mais lento Farley Movat foi capaz de interceptar a frota japonesa três vezes e, em cada umas das vezes, os navios japoneses fugiram. No total, os baleeiros tiveram que percorrer 4.000 milhas, o que custou para eles quinze dias de caça.

«O Greenpeace está usando os créditos disso» disse o Capitão Watson. «Apesar do fato de os baleeiros matarem baleias enquanto o Greenpeace assistia, eu tenho sido relutante em criticá-los publicamente pois, embora eles tenham suas limitações táticas, eles ainda estavam lá e seus filmes mostrando a matança eram educacionais para o público em geral. Mas agora que eles anunciaram que estão abandonando as baleias da Antártica, eu não tenho mais nenhum problema em criticá-los. Para mim, eles usam as baleias para arrecadar dinheiro e este dinheiro deveria ser usado para eles retornarem à Antártica, e não para propósitos diferentes daquele que motivou as pessoas a doarem».

A Sea Shepherd está concentrando todos os seus esforços para assegurar um rápido retorno ao Santuário das Baleias na Antártica, para mais uma vez persuadir a caça ilegal de baleias por parte das embarcações japonesas. Não há dúvidas de que os baleeiros japoneses estão com medo da política de intervenção da Sea Shepherd em suas operações ilegais.

«Se conseguirmos competir com a mesma velocidade, nos poderemos impedí-los» – disse o Capitão Paul Watson. «Se as pessoas estão interessadas em acabar com a caça fora da lei, então nós as convidamos a nos ajudar, levantando fundos para comprar o navio que precisamos para fazermos este trabalho. Uma doação para a Sea Shepherd é uma doação diretamente para as baleias e não para despesas administrativas ou para a máquina de levantar fundos e salários de um eco-burocrata que oficialmente abandonou a campanha para parar os baleeiros nos oceanos do sul».

fotoO Capitão Paul Watson não está feliz em criticar o Greenpeace. Ele foi um dos fundadores do Greenpeace em 1.972 e ele foi o pioneiro no desenvolvimento da tática de bloqueio de arpões com botes infláveis Zodiac. Ele, e depois Robert Hunter, o primeiro presidente da Fundação Greenpeace, foram os primeiros a usarem seus próprios corpos para proteger as baleias em 1.975. A filha de Robert Hunter, Emily Hunter, era um dos membros da tripulação do Farley Movat em recente campanha na Antártica.

«O Greenpeace era uma organização pequena, mas funcional nos anos setenta» disse o Capitão Paul Watson «Nós não tinhamos medo de ser controversos ou de correr riscos. A Sea Shepherd é agora o que o Greenpeace foi no passado. Eu nunca mudei; o Greenpeace mudou quando eles trocaram intervenções efetivas por discursos, relação públicas e arrecadação de fundos. Eles são ricos e nós somos pobres, mas damos uma boa destinação para o dinheiro e somos a organização mais temida pelos piratas baleeiros e por aqueles que realizam pesca ilegal».

A Sea Shepherd não pode competir com campanhas caras ou divulgar suas ações para uma lista de contatos como a do Greenpeace, mas apesar disso, será um navio da Sea Shepherd confrontando os baleeiros em 2006/2007 e não os do Greenpeace.

———————————————-

foto
* Diretor Executivo Sea Shepherd Brazil.

Capitão Paul Watson é fundador e presidente da Sea Shepherd Conservation Society, Diretor do Sierra Club EUA, Diretor do Instituto Farley Movat, Diretor da Sociedade das Baleias Cinzas do Atlântico e Presidente da Força de Ação para Conservação e Pesquisas Oceânicas.

 
A Sea Shepherd espera poder contar com a ajuda de todos para a campanha Leviathan, nome adotado para a campanha 2006/2007 pelas baleias na Antártica.

 
Tradução: Karina Karis, voluntária Sea Shepherd Brazil.

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


    Su nombre (requerido)

    Su Email (requerido)

    Amigo(requerido)

    Mensaje

    Añadir comentario