May 8 2005
463 lecturas

Opinión

Reflexiones sobre el Dia de la madre

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

fotoEn 1914, poco antes de iniciarse la I Guerra Mundial, el presidente Wilson la declaró fiesta oficial. La iniciativa fue lanzada siete años antes por la maestra Anna Jarvis –que murió soltera y sin hijos a los 84 años– en honor a quien le dio la vida.

Desde entonces se celebra dicha fecha cada segunda semana de Mayo en Australia, Austria, Bélgica, Brasil, Canadá, Dinamarca, Finlandia, Alemania, Hong Kong, Italia, Japón, Holanda, Nueva Zelanda y Turquía. La mayor parte de América Latina y varias naciones sur-asiáticas conmemoran el día de la madre en la misma ocasión o el 10 de Mayo. Otros países celebran a sus mamás en otras fechas.

La visión tradicional es que el lugar de la madre es en la casa junto a sus hijos. Con el avance de la industria y la modernización la mujer ha tendido a incursionar en otros campos. El derecho al voto o a ser presidentas es algo que las madres empezaron a ir conquistando después de 1914.

Sin embargo, EEUU, Brasil y la mayoría de las repúblicas americanas jamás han tenido a una madre en la presidencia. En lla zona de Los Andes ninguna mujer ha encabezado el poder alguna vez en el incario, la colonia o la república. Una excepción es Lidia Gueiler (1979-80) quien tuvo una de las presidencias más cortas e inestables de las 85 que ha tenido Bolivia.

A la presidencia de algunas ex colonias españolas han llegado Corazón Aquino (Filipinas, 1986 1992) y Mireya Moscoso (Panamá, 1999-2004). En Chile hay dos mujeres que podrían suceder a Lagos en la presidencia. Hillary Clinton quiere ser la primera madre timoneando la Casa Blanca.

Ninguna madre ha jefaturizado la ONU, OEA u otras instituciones financieras globales. Pese a que todas las religiones veneran el papel de la madre, ninguna gran iglesia es liderada por alguna de ellas. Pese a que todos los Partidos Comunistas postulan la igualdad de la mujer nunca una madre ha presidido una de las repúblicas que éstos controlaron. La chilena Gladys Marín, quien acaba de morir, sin embargo, llegó a la secretaría general del principal PC suramericano.

Hay mujeres que han llegado a ser primeras ministras en el Asia: Golda Meir (Israel), Indira Ghandi (India) o Benezir Bhutto (Pakistán). Una de las arquitectas del nuevo orden global es Margaret Thatcher.

El ser madre a una no la hace de izquierda o de derecha, ni buena ni mala. Hay madres ejemplares que dan la vida por su prole y también las que abandonan o maltratan a sus hijos o les niegan el contacto con el padre.

Nuestro homenaje a la madre debe traducirse en considerarla igual en todos los sentidos: por ejemplo, percibir los mismos salarios, empleos y puestos públicos. En diversos países hay beneficios para las madres que trabajan, estudian o que deben asistir a reuniones políticas. Se les da incentivos tributarios o monetarios, acceso especial a la educación o se les provee de guarderías subsidiadas o gratuitas. En muchos estados europeos se considera a la madre soltera –aunque no sea heterosexual– como igual a la desposada, y hasta se le da vivienda gratuita para beneficiar a sus hijos.

DIA DAS MÃES

fotoQuando será o dia em que as mães não só tenham sua própria data, mas também, plena igualdade?

O dia das mães, igualmente ao dos trabalhadores, é mais uma festividade nascida nos Estados Unidos e exportada ao restante do mundo. Em 1914, pouco antes de iniciar-se a I Guerra Mundial, o presidente Wilson declarou oficialmente essa festa. A iniciativa foi lançada 7 anos antes pela maestra Anna Jarvis (que morreu solteira e sem filhos aos 84 anos) em honra daquela que lhe deu a vida.

Desde então, se celebra a data sempre na segunda semana de Maio na Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Hong Kong, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia e Turquia. A maior parte da América Latina e várias nações sul-asiáticas comemoram o dia das mães nessa ocasião ou em 10 de Maio. Outros países celebram suas mamães em diferentes datas.

A visão tradicional é que o lugar da mãe é na casa junto aos seus filhos. Com o avanço da indústria e a modernização, a mulher tendeu a incursionar em outros campos. O direito ao voto ou a ser presidentas é algo que as mães começaram a conquistar depois de 1914.

No entanto, EUA, Brasil e a maioria das repúblicas americanas jamais tiveram uma mãe na presidência. Nos Andes nenhuma mulher encabeçou o poder alguma vez, seja no incário, na colônia ou na república. Uma exceção é Lidia Gueiler (1979-80) que teve uma das presidências mais curtas e instáveis das 85 que teve a Bolívia.

Algumas mulheres chegaram à presidência de algumas ex-colônias espanholas: Coração Aquino (Filipinas, 1986-1992) e Mireya Moscoso (Panamá, 1999-2004). No Chile há duas mulheres que poderiam suceder a Lagos na presidência do país. Hillary Clinton quer ser a primeira mãe timoneando a Casa Branca.

Nenhuma mãe tem liderado a ONU, OEA ou às várias instituições financeiras globais. Some-se a isso que todas as religiões veneram o papel da mãe, porém nenhuma grande igreja é liderada por alguma delas. Some-se ainda, que todos os Partidos Comunistas postulam a igualdade da mulher, mas nunca uma mãe presidiu alguma das repúblicas que estes partidos controlaram. A chilena Gladys Marín, falecida recentemente, no entanto, chegou à secretaria geral do principal partido comunista sul-americano.

Há mulheres que chegaram a ser primeiras ministras na Ásia: Golda Meir (Israel), Indira Ghandi (Índia) ou Benezir Bhutto (Paquistão). Uma das arquitetas da nova ordem global é Margaret Thatcher (Inglaterra).

O fato de ser mãe, não faz a mulher ser de esquerda ou de direita, nem boa nem má. Há mães exemplares que dão a vida por suas criações e também há aquelas que abandonam ou maltratam a seus filhos ou lhes negam o contato com o pai.

Nossa homenagem às mães deve traduzir-se em considerá-las iguais em todos os sentidos, portanto, para perceberem os mesmos salários, empregos e cargos públicos. Em diversos países há benefícios para as mães que trabalham, estudam ou que assistem a reuniões políticas. São concedidos a elas, incentivos tributários ou monetários, acesso especial à educação ou lhes provêm de creches subsidiadas ou gratuitas.

Em muitos estados europeus a mãe solteira (ainda que não seja heterossexual) é considerada igualmente às demais e têm direito a moradia gratuita, como benefício aos seus filhos.

—————————-

* Analista internacional. Foi professor de política brasileira e latino-americana na London School of Economics. Tem uma coluna diária no Jornal Correo, o diário em espanhol de maior circulação no Pacífico, e escreve para dezenas de meios de comunicação dos cinco continentes.

Tradução: Pepe Chaves.

X

Envíe a un amigo

Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario