Nov 20 2005
801 lecturas

Economía

LA UTOPÍA SE HACE, NO SE SUEÑA

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

Como decía uno de los Flores Magón:
A liberdade não se conquista de joelhos, mas de pé!

 
Escolha Política

Tema forte da campanha eleitoral de 2001, defendida pelo dirigente local da UMP Jean-François Mayet (localmente conhecido como multi-concessionário Mercedes!), a gratuidade dos transportes fez seu caminho no espírito dos habitantes da cidade. Inferindo sobre a “desertificação” do centro da cidade e a fraca taxa de mobilidade de seus cidadãos, o novo prefeito decidiu modificar os modos de deslocamento e, desta forma, a vida da cidade.

PS e os Verdes criticaram fortemente o projeto da gratuidade, como também os ecologistas que terminaram por reconhecer “que se deixaram contaminar as idéias pela direita”. O antigo prefeito do PS ganhou um processo contra a prefeitura –esta não quebrando seu contrato com a sociedade exploradora da passagem à gratuidade– colocando em causa assim o princípio da gratuidade.

 
Remanejamento da rede e das vias

Com o inicio da gratuidade, uma série de medidas de remanejamento das linhas de ônibus e de reorganização do centro da cidade e de seus estacionamentos sucederam-se. Châteauroux se organiza a partir de então em torno de seu centro histórico: eixos de circulação modificados de maneira a limitar o uso de veículos particulares, estacionamentos periféricos, sentido único, giradores, paradas limitadas no centro.

Ao mesmo tempo, a rede de ônibus, reorganizada, efetua uma melhor saída dos bairros populares. Três veículos asseguram agora o encaminhamento das pessoas dos estacionamentos periféricos e das paradas de ônibus até o hiper-centro para evitar engarrafamentos pelos “grandes ônibus”. Para as pessoas isoladas que querem fazer uso desses veículos de ligação, um ônibus à demanda Liberty Bus foi criado, serviço gratuito acessível por telefone.

Desde setembro de 2002, duas linhas periféricas suplementares foram adicionadas ao circuito durante os períodos escolares: o “ônibus escolar”, gratuito, bem entendido.

 
Popularidade da nova rede

Em um ano, a utilização aumentou em 76% (2,7 milhões de viagens em 2002 contra 1,5 milhões em 2001). Este aumento fez-se sentir essencialmente entre as pessoas pobres (desempregados, trabalhadores, pessoas idosas e jovens dos bairros populares) modificando seus hábitos de utilização da nova rede. 20% dos passageiros se declararam “novos usuários dos transportes públicos”.

A perda de receitas até a gratuidade foi coberta por um aumento à base do pagamento de “transport d’entreprise”: adesão de duas novas cidades e alta da taxa de 0,55 à 0,60%.

No que concerne às “cifras da insegurança”, tão utilizadas como argumentação contra a gratuidade, elas não aumentaram, os “gestos de incivilidade” estão até mesmo diminuindo. O diálogo inter-idades tornou-se inclusive uma particularidade da nova rede.

Se o aumento da freqüência deve muito à gratuidade, não se deve esquecer que ela foi ladeada por uma série de medidas populares: aumento da oferta e da qualidade do transporte aos quais os usuários locais se sentem cada vez mais ligados.

À vista do sucesso de Châteauroux, seria impressionante que as cidades menores em vias de “desertificação” não se interroguem quanto à aplicação da gratuidade dos transportes, levando a sociedade a uma verdadeira reflexão sobre o sentido e a orientação que as populações querem colocar ao serviço público.

————————————-

 
* Lignes Gratuites, Journal irregulier du Réseau pour l’Abolition des Transports Payants – Nº 2.

 

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


Añadir comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.