Jul 5 2007
1288 lecturas

Cultura

Luis Romano, escritor. – »HAY UN HILO SENTIMENTAL…»

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

–Qual foi o seu papel histórico dentro da literatura caboverdiana?

–Embora mencionado nalgumas obras, em verdade o meu papel histórico dentro da literatura caboverdiana é unicamente o mérito de pertencer á Associação dos Escritores Caboverdianos, sediada na Cidade da Praia, Ilha de Santiago.

–De que forma as suas obras contribuíram para a formação de uma consciência nacional caboverdiana e à luta contra a opressão colonial?

–Por terem sido editadas no estrangeiro, só após a publicação de Famintos no Brasil minhas obras constituíram-se em ponto de denuncia que levou a censura a procurar eliminar-me dentro e fora de Cabo Verde. Isso contribuiu para esclarecer lacunas que estavam proibidas e de ampliar-se.

–Que papel desenvolveu seu livro Famintos na luta pela independência do povo caboverdiano?

foto
Famintos foi dos mais potentes gritos denunciando o desmando da ditadura estabelecida entre nós. Desde então fiquei escrevendo outros temas que se ligavam ao sofrimento de caboverdianos flagelados pelas secas, despotismo e “reinol” no nosso arquipélago.

–Qual foi a contribuição da sua obra literária na valorização e o resgate da língua caboverdiana ou crioulo?

–Acredito que após Cabo Verde, Renascença de uma Civilização no Atlântico Medio, obra etnográfica sem paralelo entre nós e que contem longas amostras da nossa lingua escrita, meu grande mérito foi lançado, informando e estimulando nossos letrados a desenvolverem com desembaraço o inicio da nossa presença na escrita e ficção caboverdianas.

–O senhor forjou a poética e poderosa expressão “caboverdianamente”. O que significa para Luis Romano ser caboverdiano?

–“Caboverdianamente” é para mim, uma esperança e certeza em que se concretiza a nacionalidade a que pertenço: “caboverdiano”, como individuo plenamente consciente da sua identidade nacional e livre.

–Que episódios e momentos da sua vida foram determinantes para a sua formação humana e literária?

–Acima de tudo, o espetáculo de ver compatrícios morrer à fome, sem revolta, esperando pelas chuvas resignadamente, num fatalismo passivo e revoltante, ao desamparo.

–Qual a sua visão de Cabo Verde (sua gente, suas paisagens, sus história, sua cultura, etc.)?

–Minha visão de Cabo Verde estaca-se numa patriótica e renovadora panorâmica de pão e progresso, em cada filho não terá mais necessidade de abandonar sua terra natal, em troca dum emprego eventual no estrangeiro.

–Que autores (romancistas, poetas e ensaístas) influenciaram mais a sua trajetória literária e quais os que mais admira e com que mais se identifica?

–Tive uma infância precoce e deixei-me entusiasmar pela imaginação de algumas figuras expoentes tais como: Cervantes, Dostoievesky, Da Vinci, Victor Hugo, Jules Verne, Camões, Dante, etc…

–Como começou a sua relação humana e literária com Vera Duarte?

–Vera Duarte, minha conterrânea, além de talentosa, é dotada de agressiva imaginação poética que por vezes desarma qualquer interpretação apressada. Foi na Praia que descobri o encanto dos seus poemas e não tive receio em testemunhar-lhe o meu apreço. Ela, a principio, ficou arredia. Com o tempo decidiu arriscar-se e hoje temos uma consagração como poetisa de altos vôos e de segura projeção futura.

–Qual é a sua visão do Cabo Verde pós-independência? Como vê o seu país na atualidade?

–Como testemunha pessoal dos pavores que presenciei em Cabo Verde até 1948, hoje sinto-me recompensado por saber minha terra caminhando para melhor em varios sentidos, especialmente ao saber que a Universidade Caboverdiana está sendo uma realidade.

Que papel desenvolveram o Brasil e do Rio Grande do Norte na sua vida e na sua obra?

–No Rio Grande do Norte, Brasil, vim encontrar uma espécie de paralelismo emocional que me gratificou por me ter arriscado a residir definitivamente neste país. Idêntica sensibilidade popular e fraterna convívio social de que resultou uma quase uniforme forma de sentir e expressar.

foto
–Quais são na sua visão os elos (históricos, culturais, simbólicos, espirituais, etc.) que unem o Brasil e Cabo Verde?

–Por mais curioso que pareça, Brasil e Cabo Verde têm idênticas expressões de convivio na sua formação humana, trazida da Europa e da África. Há um elo sentimental que nos caracteriza, a ponto de não ferir o contacto dessas famílias irmãs, embora separadas pela distância marítima.

–Qual é a sua relação com a literatura brasileira em geral e a potiguar em particular?

–Antes de vir para o Brasil, já tinha largo conhecimento de obras de vanguarda brasileira. o que melhor afectou meu desembaraço com alguns escritores brasileiros, embora de pouco convívio pessoal. Foi aqui que ampliei minha biblioteca com livros brasileiros e quando me deslocava até o Rio e São Paulo, tinha sempre ocasião de refazer contactos, além dos que já tinha aqui no Nordeste.

–Qual foi a sua relação com Luiz da Câmara Cascudo?

–Com Luiz da Câmara Cascudo tive uma dúzia de anos de fraternal convívio. Para mim, ele era um sábio que se dignou acolher-me com sua amizade e sabedoria. seu Dicionário de Folclore Brasileiro distingue-me com palavras de aprêco ao evocar cenas caboverdianas que lhe transmiti. Afora isso o prefácio de Famintos me devaneceu!

–Que mensagem gostaria de deixar ao povo caboverdiano e ao povo brasileiro?

–Ao povo brasileiro, meus agradecimentos por nele ter encontrado o afecto fraternal que nunca me faltou. Ao povo caboverdiano, votos de prosseguir na luta pela cidadania com dignidade e vitórias.

————————————-

* Periodista, de la redacción de Tecido Social, periódico electrónico de la Red estadual de DDHH de Brasil.
www.dhnet.org.br.

Addenda

La obra de Luis Romano se condensa principalmente en los siguientes libros:

Famintos (1962): novela escrita en portugués.

Clima (1963): poemas en portugués, criollo caboverdiano y francês.

Cabo Verde-Renascença de uma Civilização no Atlântico Médio (1967): poemas y relatos en portugués y caboverdiano.
Negrume/Lzimparin (1973): relatos, en caboverdiano y traducción al portugués.

Ilha (1991): relatos de «Europáfrica» y de «Brasilamérica», en portugués y caboverdiano.

Aquí pueden leerse algunos textos poéticos del escritor, y aquí una reseña de su vida y trayectoria.

En Cabo Verde on line se puede leer un comentario sobre las opiniones del escritor en referencia al idioma de su país.

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


Añadir comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.