Abr 15 2015
619 lecturas

Cultura

Galeano e o silêncio das palavras

As palavras hoje calaram; elas entristeceram. Não podem ser esculpidas da voz, porque hoje a voz não sai: é difícil e doloroso dizer adeus a Galeano. As palavras faziam parte dos ritos solenes e sagrados de Eduardo Galeano. Ele as empregava com a parcimônia típica dos colibris que, com beleza e leveza, flanam diante das flores enquanto colhem seus néctares.

A solenidade e a sacralidade com que brincava com as palavras conferiam veracidade indestrutível à denúncia que fazia dos paradoxos duma América Latina rica, porém espoliada pelos poderosos nativos e estrangeiros.

Com palavras certeiras, exprimia uma consciência implacável em favor dos povos ultrajados pelas elites egoístas; com elas levantou-se insurgente contra todas as formas de opressão.

Galeano lapidou palavras que nos ajudaram a conhecer e a interpretar o mundo. Ele não arriscava improvisos para traduzir o sentido das suas palavras; preferia lê-las e interpretá-las em cerimônias de impressionante reverência às suas plateias.

As palavras hoje calaram; elas entristeceram. Não podem ser esculpidas da voz, porque hoje a voz compreensivelmente não sai: é difícil e doloroso dizer adeus a Galeano.

As palavras não se deixam escrever porque não encontram, dentre todos os idiomas da terra, aquelas capazes de homenagear este que é o mais inigualável subversivo; um ser humano original e inconcedível na luta contra a opressão, a desigualdade, a injustiça, o preconceito.

Que privilégio pertencer a esse mesmo mundo palmilhado por Galeano, espelho duma nova e cada vez mais imprescindível humanidade. Sempre acompanhado da esperança, ele ensinou a crer que “o mundo que necessitamos não é menos real que o mundo que conhecemos e padecemos”.

X

Envíe a un amigo

Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario