Mar 5 2016
1567 lecturas

Política

Brasil: O combate é um só: da democracia contra o neo-fascismo

A Lava-Jato realizou seu desejo estratégico, de colocar as garras no Lula. Desde o início, a Operação foi uma construção inteligentemente arquitetada para atingir Lula e, desse modo, o PT, o governo Dilma e o conjunto da esquerda brasileira.

O roteiro da Operação foi traçado pelo Juiz Sérgio Moro em artigo escrito em 2004 [Considerações sobre a “Mani Pulite”], no qual ele exorta [i] a subversão autoritária da ordem jurídica para atingir alvos e objetivos específicos, e [ii] o uso da imprensa para a intoxicação da atmosfera política.

A força-tarefa da Lava-Jato emprega meticulosamente os procedimentos totalitários incensados pelo Juiz Moro no artigo, como a prisão prévia à condenação, o recorte seletivo da investigação, e a delação premiada – método de tortura e chantagem para obter confissões que incriminem adversários.

As arbitrariedades cometidas contra a ordem jurídica e democrática por setores do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal foram ganhando legitimidade através da força abrumadora e intimidadora da mídia hegemônica que naturaliza os abusos jurídico-policiais. Reivindicar o devido processo legal, por exemplo, virou sinônimo de cumplicidade com corrupção.

O condominio jurídico-midiático-policial, integrado por setores do Judiciário, da Polícia Federal, do Ministério Público e o conjunto da mídia hegemônica [capitaneada sobretudo pelos grupos Globo, Folha e Estado de São Paulo], é uma via aberta do neo-fascismo.

A ação perpetrada hoje contra Lula é uma violência equiparável ao golpe civil-militar contra Jango em 1964, com a diferença que desta vez os reacionários golpistas não estão armados; trajam togas e uniformes de Rambo – porém, tal como naquela época, contam outra vez com a conivência decisiva das famílias Marinho, Frias, Mesquita no empreendimento golpista.

Os perpetradores do ato fascista contra o ex-presidente Lula estranhamente levaram-no para depor no Aeroporto de Congonhas, e não na sede da PF ou do MP. É provável que, com receio de conflito social, abortaram o plano de transferir Lula a Curitiba para prendê-lo.

Para realizar seu desejo obsessivo, a Lava-Jato violentou a democracia e a Constituição brasileira. Setores do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal perderam totalmente a isenção e legitimidade; converteram a Lava-Jato em instrumento ideológico para destruir Lula e o PT.

Os justiceiros estão incendiando o país; eles são os responsáveis pelos conflitos e enfrentamentos que poderão ocorrer, porque o povo não assistirá passivamente a consumação do golpe que empreendem contra a democracia.

É inaceitável que setores do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal que usam as prerrogativas funcionais para a perseguição partidária e ideológica, continuem à frente da Lava-Jato. Igualmente inaceitável é o uso partidário e ideológico dos meios de comunicação para a construção de uma narrativa fascista como a que está em curso no Brasil.

O combate da hora é um só: da democracia contra o neo-fascismo.

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


Añadir comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.