Feb 3 2015
1087 lecturas

Política

Eduardo Cunha, o Brasil de 1954 que não acabou

A composição do ministério do Governo Dilma coabitando forças conservadoras, progressistas e figuras controvertidas, para dizer o mínimo, faria sentido [1] para conter a fúria do capital financeiro e inibir o terrorismo econômico, e [2] para assegurar sustentação congressual e, assim, estabilidade política.
A eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara dos Deputados com um discurso oposicionista e marcadamente antipetista demonstra, entretanto, as insuficiências e os impasses dessa estratégia.
Dos 28 partidos com representação no Congresso, os 10 deles que ocupam cargo ministerial em tese comporiam uma bancada de sustentação governamental com 329 deputados – maioria de 64% da Câmara. A despeito disso, o candidato do Planalto, Arlindo Chinaglia, obteve apenas 136 votos – 26,5% do total.
A eleição de Eduardo Cunha encoraja o ambiente de instabilidade provocado pela oposição político-midiática. Oposição que, desde o imediato pós-26 de outubro, não aceita o resultado eleitoral e busca a revanche no estilo neogolpista contemporâneo – “dentro da institucionalidade e da legalidade”.
A conjuntura ficou mais complexa. A eleição de Eduardo Cunha exponencia as complicações políticas para o governo numa conjuntura de dificuldades e apertos na economia, de colapso hídrico com impacto na geração energética, de erosão da Petrobrás com réplica na produção nacional e de perseverança da crise capitalista mundial acompanhada da queda do preço das commodities e minérios.
O paradoxo, portanto, é que em nome da estabilidade, o governo Dilma cedeu para partidos aliados além do que poderia desejar o mais radical aliancista – os ministérios da Educação, Fazenda e Cidades, por exemplo – e, em contrapartida, recebeu a “doce dose de traição” parlamentar.
Se a história vale como advertência, convém relembrar o período de governo do Getúlio Vargas, quando eleito em 1950 com maioria de 49% dos votos e uma representação parlamentar de menos de 15%. Em busca de estabilidade, entregou a maioria do Ministério para os adversários UDN e PSD e para o “inimigo íntimo” PSP, restando ao seu PTB uma única Pasta, a do Trabalho.br eduardo cunha
Nem assim Getúlio teve trégua. Foi alvo permanente da histeria lacerdista [hoje seria “aecista/caprilista”] e da ameaça político-midiática de impeachment. A cada novo ataque desestabilizador perpetrado pela “própria” base parlamentar, Getúlio nomeava novos traidores para o Ministério – o suicídio foi o limite.
A resposta eficiente do governo Dilma à nova realidade política não pode se reduzir ao carteado com os cargos dos escalões inferiores. A situação mostra que o governo não tem respaldo confiável nem nas forças que habitam a Esplanada e, menos ainda, nas que dominam o Legislativo. O governo necessita urgentemente engendrar outros dispositivos de sustentação, para além da coalizão ministerial e do “apoio” parlamentar.
No período de 1951 a 1954, a sensação de fim de mundo impregnada no debate público pelo setor político-midiático deslocou a arena da luta de classes das ruas para o Parlamento, nitidamente controlado pelo conservadorismo golpista.
A enorme popularidade de Getúlio que – intimidada pela ofensiva da direita e não acionada pelo governo – esteve anestesiada durante as mais vis agressões sofridas por ele, finalmente irrompeu do solo na manhã do trágico 24 de agosto de 1954, derrubando viaturas da mídia oposicionista e arrastando os conspiradores. Mas aí Getúlio já tinha se convertido em mito …
O ano é 2015, mas o arcaísmo da classe dominante não tolera o Brasil pavimentando o caminho para seu futuro de igualdade, direitos, soberania e independência. Há um evidente confronto de interesses na sociedade brasileira, e a bandeira mágica da direita é o impeachment da Presidente Dilma.
A preservação democrática do mandato da Presidente Dilma, a continuidade e o avanço das mudanças, neste contexto, depende cada vez mais da capacidade do governo exercer o poder com a presença intensa e organizada do povo na implementação do programa eleito nas urnas em 26 de outubro.
A iniciativa política do governo será ineficiente, todavia, se, além de trazer o povo para a arena dos conflitos fundamentais, ele não se comunicar adequadamente e não construir uma narrativa ao povo brasileiro sobre as transformações humanas, produtivas, sociais e culturais que tanto ódio suscitam na direita.

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


Añadir comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.