Jun 3 2005
360 lecturas

Cultura

Diários de Guerra

Aparecida en la revista Piel de Leopardo, integrada a este portal.

 “Aos 20 reinará a vontade; aos 30, a sagacidade; aos 40, o bom senso”.
Benjamin Franklin.

 
 
fotoA vida tem me tratado bem. Não que tenha sido ou que esteja sendo fácil. Mas fazendo apologia à teoria da relatividade, tudo é uma questão de referencial.

 
Tive uma saúde debilitada já na mais tenra idade. Lembro-me com exatidão das longas jornadas empreendidas por minha mãe, eu de mãos dadas a ela, saltando de um ônibus para outro, em direção a um hospital público para tratamento de uma febre reumática. A posologia prescrevia penicilina benzatina, além de corticóides para amenizar as incômodas dores incidentes nas articulações. As injeções eram doloridíssimas. E aplicadas com uma freqüência incomum – dias alternados no início do tratamento até a periodicidade mensal.

 
Como se não bastasse, também fui premiado com as mais diversas manifestações alérgicas. É mais fácil eu sucumbir a partir de um comprimido contendo dipirona do que diante de uma guilhotina!

 
Do reumatismo herdei um sopro cardíaco, seqüela comum à enfermidade. Da alergia, uma pretensa fragilidade nas vias respiratórias. Porém, não houve espaço para tais manifestações. Entreguei-me ao esporte, praticando as mais diversas atividades, de basquetebol a artes marciais, passando por natação, canoagem, iatismo e até pára quedismo. Hoje, dedico-me à esgrima e ao surfe. O primeiro para competir e satisfazer uma necessidade tenaz de colocar-me à prova. O segundo para simplesmente não ter que competir contra ninguém – nem eu mesmo. Que o mar faça sua vontade.

 
Minha família constituiu-se grande e restrita ao mesmo tempo. Grande, porque formada por mais quatro irmãs. Restrita, porque não se estendia aos primos, tios e mesmo avós. Admiro quem teve ou tem a presença onisciente das “nonas” e a casa sempre cheia aos domingos. Todavia, os fatos de meu pai não estar em casa para assistir ao telejornal anterior à novela e não compartilharmos juntos das refeições à mesa, não foram suficientes para nos tornar menos unidos ou para arrefecer o amor que ainda hoje nos envolve, mesmo após a partida de minha mãe.

 
De filho a pai, de amigo a amante, de namorado a esposo – e, depois, ex-marido – os relacionamentos pessoais foram cada qual lapidando minha personalidade, cunhando meu caráter, marcando minha alma. Do êxtase do beijo à amargura da separação, todos foram significativos. Um sentimento destilou-me o prazer. O outro, o aprendizado. O amadurecimento ensina que não vale a pena ofender, embora você o faça; doutrina que assim como o corpo se acostuma à dor, o coração assimila o rompimento quando percebe que a pior solidão é aquela que se sente acompanhado.

 
Entre conhecidos e colegas, veio o legado de alguns bons amigos. Muitos perderam-se no tempo, mas não se esvaíram da memória. Os amigos e as brincadeiras, estas praticadas à luz do luar, tarde da noite, pijamas à mostra, sem trânsito para ferir ou insegurança para amedrontar. Os jogos não eram eletrônicos, por isso custavam pouco. Bastavam palmas, pernas e sorrisos.

 
Hoje os amigos são outros e curiosamente os melhores surgiram eletronicamente, não sintetizados, é claro, mas apresentados pelo clique de um botão. Gente de tudo quanto é lugar, uns próximos, outros distantes, mas sempre presentes como se estivessem diante de mim na sala de estar. Confortam e pedem consolo. Ajudam e clamam por auxílio. Para ficar completo, falta apenas o abraço. Ah… se houvesse o teletransporte!

 
Profissionalmente, levei quinze anos para me descobrir. Por vezes, mais difícil do que a descoberta é a aceitação. Enfrentar o receio de trocar o pouco certo ao muito duvidoso. Você faz o que tem medo e ganha coragem depois, não antes. Mas isso também não se ensina na escola acadêmica, apenas se aprende na escola da vida.

 
Quando você depura tudo o que lhe cerca percebe que a simplicidade começa a reinar. E ser simples não significa ser pequeno, mas dispor do que é crítico e imprescindível. Luz e calor do sol, companhia e aconchego brilhante da lua. Cores, sabores e texturas dos alimentos. Ritmo, melodia e harmonia dos sons. Filme com pipoca e refrigerante a dois. Fé e gratidão.

 
Mas nunca estamos satisfeitos. Pessoalmente eu deveria nutrir uma sensação de quietude. Uma onda no mar, uma nota no saxofone, uma tarde com os filhos, uma cerveja gelada com os amigos, um beijo apaixonado, uma refeição saborosa, uma noite revigorante, um bom livro, uma mão que assiste a quem precisa, uma dívida do passado resgatada, um artigo escrito com amor e lido com prazer.

 
Contudo, há um mundo enigmático lá fora. Um mundo de diferenças habitado por pessoas indiferentes. Um mundo que cultua o conflito, que se afasta do consenso. Um mundo que desejo mais que conhecer, registrar.

 
Por isso pretendo escrever Diários de Guerra. Percorrer nações na iminência, durante e após um conflito bélico. Compreender o porquê de sua ocorrência e quais seus efeitos sobre a sociedade, a cultura e a economia de um país. Estudar a correlação com as várias religiões, crenças e dogmas. E, fundamentalmente, observar e analisar os reflexos sobre as pessoas.

 
Este é um projeto para daqui alguns anos cuja duração e início estão diretamente relacionados à oportunidade de compartilhá-lo com um veículo da mídia eletrônica ou impressa. Com apoio, tornar-se-á rapidamente viabilizado. Sem apoio, apenas demandará mais tempo.

 
Talvez eu esteja buscando conhecer melhor a humanidade. Talvez esteja em busca de conhecer a mim mesmo. Talvez esta busca contínua seja apenas uma forma de reverenciar minha própria liberdade. Sei apenas que prefiro a angústia da busca à paz da acomodação.

——————————

 
 
* Tom Coelho, com formação em Economia pela FEA/USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing pela MMS/SP e em Qualidade de Vida no Trabalho pela FIA FEA/USP, é empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e Diretor Estadual do NJE/Ciesp (www.tomcoelho.com.br).

Correo electrónico: tomcoelho@tomcoelho.com.br

  • Compartir:
X

Envíe a un amigo

No se guarda ninguna información personal


Su nombre (requerido)

Su Email (requerido)

Amigo(requerido)

Mensaje

Añadir comentario